Jogo da Glória: Como sobreviver a mais de 600 anos de história?

O professor Jorge Nuno Silva falou com o programa 90 Segundos de Ciênciaemitido diariamente na Antena 1, de segunda a sexta-feira. O investigador CIUHCT discute a persistência do Jogo da Glória, jogo de tabuleiro do qual estuda as propriedades lúdicas, em trabalho conjunto com João Pedro Neto, da FCUL.

 

O Jogo da Glória, tal como o xadrez, as damas, o gamão e tantos outros, é um jogo de tabuleiro. Pensa-se que este jogo também conhecido por Jogo do Ganso, terá surgido em finais do séc. XIV, princípios do séc. XV, acabando por se popularizar no séc. XVI. A divulgação do Jogo da Glória parece estar associada a Francisco de Médicis, que governou Florença entre 1574 e 1587, e que terá oferecido um tabuleiro a Filipe II de Espanha, I de Portugal, deixando-o encantado com as reviravoltas do jogo.

Jorge Nuno Silva vê o Jogo da Glória como mais um exemplo de como jogar faz parte da condição humana. “Não há nada mais humano do que jogar. Costumamos dizer que um jogo é uma brincadeira organizada mas de facto o jogo e a brincadeira, são essenciais à Humanidade, característicos da humanidade e o Homem nunca é mais humano do que quando está a jogar.”