Ciência, Prestígio e Devoção: Os Jesuítas e a Ciência em Portugal (séculos XIX e XX)

2015_Capa_Livro_FRomeiras

Autor
Francisco Malta Romeiras,
Edição e Ano
Cascais: Lucerna, 2015
Nº de páginas 304 pp.
ISBN 9789898516923

Resumo

Quando a Companhia de Jesus foi restaurada em Portugal, em meados do século XIX, permanecia ainda a memória da forte campanha ideológica que o Marquês de Pombal lançara no século XVIII, segundo a qual os jesuítas teriam sido os principais responsáveis pelo atraso científico no nosso país. Conscientes da longevidade, da influência e da transversalidade absolutamente invulgares dos argumentos pombalinos, os jesuítas compreenderam que tinham de ultrapassar as acusações de obscurantismo para se estabelecerem com alicerces firmes em Portugal e, assim, reconquistarem a influência e o raio de ação que tinham tido nos séculos anteriores. Da vontade de recuperar a sua credibilidade científica acabaria por nascer um grande investimento no ensino e na prática das ciências naturais nos seus colégios, nomeadamente no Colégio de Campolide (1858-1910) e no Colégio de São Fiel (1863-1910). São Fiel foi ainda o berço da revista Brotéria (1902-2002), uma das mais importantes publicações científicas portuguesas do século XX. Baseado nas histórias do Colégio de Campolide, do Colégio de São Fiel e da revista Brotéria, este livro centra-se nas razões que levaram uma ordem religiosa como a Companhia de Jesus a empenhar-se tão ativamente no ensino e na prática das ciências, bem como no impacto profundo que esse empreendimento teve para a ciência e para a educação científica em Portugal nos séculos XIX e XX.

Encomendar AQUI.

Índice

Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

Primeira parte – Ciência e prestígio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

1.1. Jesuítas e ciência – um ponto de partida . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

1.2. O ensino científico na Companhia de Jesus . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

1.3. A expulsão dos jesuítas e as reformas de Pombal . . . . . . . . . . . . . . 21

1.4. A ciência dos jesuítas nos séculos XIX e XX: uma questão de prestígio? . . . 31

Segunda parte – O ensino científico dos jesuítas em Portugal (1858-1910) . 35

1. O ensino liceal em Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

2. Carlos Rademaker e a restauração da Companhia de Jesus . . . . . . . . . . 38

3. Os colégios da Companhia de Jesus (1858-1910) . . . . . . . . . . . . . . . 46

3.1. O Colégio de Campolide (1858-1910) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

3.1.1. Os espaços e a organização do colégio . . . . . . . . . . . . . . . . 51

3.1.2. Os alunos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69

3.1.3. O ensino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71

3.2. O Colégio de São Fiel (1863-1910) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72

3.2.1. Os espaços e a organização do colégio . . . . . . . . . . . . . . . . 74

3.2.2. Os alunos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

3.2.3. O ensino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84

3.3. O Colégio de São Francisco (1877-1910) . . . . . . . . . . . . . . . . . 85

4. Ciência e pedagogia nos colégios dos jesuítas . . . . . . . . . . . . . . . . 87

4.1. As academias científicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91

4.2. Os eclipses solares de 1900 e 1905 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106

4.3. Carlos Zimmermann e o ensino da microscopia vegetal . . . . . . . . . 114

4.4. António Oliveira Pinto e a radioatividade das águas . . . . . . . . . . . 119

5. As polémicas e a expulsão da Companhia de Jesus . . . . . . . . . . . . . 123

5.1. A oposição à Companhia de Jesus em finais do século XIX e

a sua repercussão no início do século XX . . . . . . . . . . . . . . . . 127

5.2. O exílio, as coleções confiscadas e as defesas inesperadas . . . . . . . . 137

Terceira parte – A ciência na revista Brotéria (1902-2002) . . . . . . . . . 143

1. A popularização científica na Companhia de Jesus . . . . . . . . . . . . . . 143

2. A Brotéria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147

2.1. A fundação de uma revista científica e os primeiros sinais

de reconhecimento público . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150

2.2. As estratégias de financiamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164

3. A série Vulgarização Científica (1907-1924) . . . . . . . . . . . . . . . . . 170

3.1. A agricultura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177

3.2. O comércio e a indústria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180

3.3. A medicina e a higiene . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182

3.4. A química e a física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189

3.5. A sismologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194

3.6. A geografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198

3.7. A arqueologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200

3.8. As ciências naturais e a religião . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201

3.9. A transição para a Brotéria Cultural . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205

4. A Botânica (1907-1931) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209

5. A Zoologia (1907-1931) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220

6. A Ciências Naturais (1932-1979) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234

6.1. Luisier e os cientistas do Estado Novo (1932-1957) . . . . . . . . . . . . 234

6.2. A direção de José Carvalhaes: um período de transição (1958-1961) . . . . 250

6.3. Luís Archer e a emergência da genética molecular (1962-1979) . . . . . . 251

7. A Genética (1980-2002) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 264

Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 271

Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275

Fontes primárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275

Fontes secundárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275

Artigos e capítulos de livros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280

Abreviaturas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 282

Índice de figuras e tabelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 283

Índice geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 285