Cidadão do Mundo

Autor
Ana Simões, Maria Paula Diogo, Ana Carneiro
Edição e Ano
Porto, Porto Editora, 2006
Nº de páginas 192 pp.
ISBN-13: 978-972-0-45090-6 

Encomendar

Sinopse

Figura de relevo do Iluminismo português, o Abade Correia da Serra é, normalmente, conhecido pelas funções diplomáticas que desempenhou, nomeadamente as de embaixador de Portugal nos Estados Unidos da América, no período turbulento que precedeu a independência do Brasil. A biografia que agora se apresenta pretende ir além das análises habituais desta personagem, oferecendo uma imagem multifacetada do Abade, onde se cruzam as dimensões científica, histórica e política da sua existência, analisadas à luz do complexo contexto nacional e internacional em que se movimentou.

A compreensão da figura de Correia da Serra impõe o estudo das suas convicções e contribuições científicas, normalmente votadas ao esquecimento, na medida em que é nelas que se articulam todos os outros aspectos da sua vida e obra. A originalidade das investigações que desenvolveu no âmbito da história natural e, especialmente, no domínio da botânica, colocam-no na senda de ideias que operaram a transição do paradigma da história natural setecentista para o da biologia do século XIX. A par disso, teve um papel activo na definição de uma rede internacional de naturalistas cuja relevância fez dele uma figura central nos circuitos de construção e de comunicação do saber científico.

No intuito de escapar a perseguições políticas e religiosas, o Abade Correia da Serra procurou refúgio além fronteiras, tendo viajado intensamente pela Europa e pelos Estados Unidos da América. No seu périplo de estrangeirado, privou com naturalistas e políticos estrangeiros de primeiro plano, embora tivesse sempre mantido ligações com o seu país natal. É exemplo disso o projecto científico e histórico ambicioso que gizou para a Academia das Ciências de Lisboa, quando esta dava os primeiros passos, apoiada pelo Duque de Lafões. Neste contexto, mas agora sob a égide de Rodrigo de Sousa Coutinho, com quem partilhou um projecto político que visava transferir a sede de poder do continente para o Portugal brasileiro, Correia da Serra chegou a desempenhar funções de agente científico que, por vezes, raiaram a espionagem. Mais tarde, com Thomas Jefferson, sonhou com a construção de dois hemisférios americanos, liderados pelos Estados Unidos da América e por Portugal, emancipados política e cientificamente da velha Europa. Correia da Serra não foi um homem de consensos fáceis, nem viveu de forma tranquila. A procura incessante de uma pátria ideal, política e intelectualmente, condenou-o a ser um eterno peregrino.

Índice

  • Agradecimentos
  • Introdução - Biógrafos e biografias de Correia da Serra
  • Capítulo 1 - Juventude em Itália
    • Antepassados, Inquisição e opções religiosas
    • A formação do jovem Correia da Serra
    • Viagens em Itália
  • Capítulo 2 - Regresso às origens
    • Ciência útil
    • Visitas de campo e primeiras incursões na geologia
    • Um projecto histórico para a Academia
    • Elogios
    • Rede de academias na Europa ilustrada
  • Capítulo 3 - Refúgio em Londres
    • Nós pátrios e República das Letras
    • Segundas incursões geológicas
    • O sexo das algas: uma questão controversa
    • Remando contra a corrente: sistema natural e afinidades
  • Capítulo 4 - Amores em Paris
    • História, uma paixão antiga
    • Estreitando laços de comunicação na República das Letras
    • Laranjeiras: o conceito inovador de simetria
    • Frutos: contribuições no campo da carpologia
    • Uma figura de transição
  • Capítulo 5 - O período americano
    • Tecendo uma nova rede de relacionamentos
    • Mais viagens científicas
    • Tempos conturbados
    • Jefferson, Correia da Serra e a Universidade de Virgínia
    • Laços de família
  • Capítulo 6 - Breve reencontro com Portugal
    • A Revolução Liberal
    • Um outro olhar sobre Portugal
    • Ainda um papel para a ciência?
  • Conclusão Correia da Serra, uma biografia científica
  • Indice Remissivo